15% DE DESCONTO COM CUPOM MADRE15

quinoa em flocos

Quinoa em flocos: o que é, como usar e receitas deliciosas

A quinoa é uma semente originária das regiões andinas da América do Sul, mais especificamente, ela surgiu há milhares de anos em Ayacucho, no Peru. A quinoa em flocos é uma forma prática e versátil de consumir a quinoa, que é um alimento rico em proteínas, fibras, vitaminas e minerais.

A quinoa em flocos pode ser usada em diversas receitas, desde o café da manhã até o jantar, trazendo benefícios para a saúde e para a boa forma. Neste artigo, você vai ver as respostas para algumas das dúvidas mais comuns que surgem nas pesquisas do Google, quando o assunto é quinoa em flocos, que são:

  • Quinoa em flocos como usar
  • Quinoa em flocos receitas
  • Quinoa em flocos tem que deixar de molho
  • Quinoa em flocos tabela nutricional

O que é a quinoa em flocos?

Quinoa em flocos

Já vimos o que é quinoa, mas como é feita a quinoa em flocos? A quinoa em flocos é obtida a partir da quinoa em grãos. A quinoa em grãos passa por um processo de pré-cozimento e depois é prensada, formando os flocos. Esses flocos são mais finos e macios do que os grãos, e têm um tempo de cozimento menor. A quinoa em flocos pode ser encontrada em lojas de produtos naturais, orgânicos ou sem glúten e em alguns supermercados.

Quinoa em flocos como usar?

Uma das dúvidas mais comuns com relação a esse rico alimento é ‘quinoa em flocos como usar’. A quinoa em flocos pode ser usada de várias formas, substituindo ou complementando outros cereais, como a aveia, o arroz ou o trigo.

A quinoa em flocos é usada em receitas e pode ser consumida pura, misturada com frutas, leite, iogurte, mel ou granola, ou adicionada a receitas de bolos, pães, biscoitos, panquecas, mingaus, sopas, saladas, risotos, hambúrgueres, entre outras.

A quinoa em flocos tem um sabor suave e neutro, que combina com diversos ingredientes. Mas muitas pessoas costumam lavar a quinoa em flocos antes de usar, para eliminar um leve sabor amargo que ela pode ter eventualmente. Para isso, basta colocar os flocos em uma peneira e enxaguar em água corrente.

Quinoa em flocos tem que deixar de molho?

A dúvida “quinoa em flocos tem que deixar de molho’ faz sentido, uma vez que o recomendado para a quinoa em grãos é, de fato, algumas horas de molho. Mas, uma das vantagens da quinoa em flocos é que ela é muito prática e dispensa a necessidade do molho. Ou seja, você pode incorporá-la diretamente em suas refeições favoritas, economizando tempo e tornando sua dieta mais conveniente.

Quinoa em flocos tabela nutricional

Quinoa em flocos

A quinoa em flocos é um alimento muito nutritivo, que oferece diversos benefícios para a saúde. Ela é uma excelente fonte de proteína vegetal, que contém todos os aminoácidos essenciais que o nosso corpo não produz. Além disso, ela é rica em fibras, que melhoram o funcionamento intestinal, aumentam a saciedade, controlam o colesterol e o açúcar no sangue, e previnem doenças como a obesidade, o diabetes e o câncer de cólon.

A quinoa em flocos também contém vitaminas e minerais importantes para o organismo, como o ferro, o magnésio, o fósforo, o cálcio, o zinco, o potássio, as vitaminas do complexo B, a vitamina E e a vitamina C. Esses nutrientes participam de diversas funções vitais, como a produção de energia, a formação de células sanguíneas, a manutenção dos ossos, dos músculos, dos nervos, do sistema imunológico, da pele, dos cabelos, das unhas, entre outras.

A quinoa em flocos também possui compostos bioativos, como os flavonoides quercetina e kaempferol, que têm ação antioxidante, anti-inflamatória, antiviral, antidepressiva e anticancerígena. Esses compostos protegem as células do estresse oxidativo, combatem os radicais livres, modulam a expressão gênica e regulam a sinalização celular.

A quinoa em flocos é um alimento sem glúten, o que é uma vantagem para as pessoas que têm doença celíaca, sensibilidade ao glúten ou que desejam reduzir o consumo dessa proteína. O glúten pode causar inflamação, alergia, intolerância, má absorção de nutrientes, alteração da flora intestinal e doenças autoimunes em pessoas sensíveis à proteína em questão.

Confira a tabela nutricional da quinoa em flocos (considerando uma porção de 45 g):

Quinoa em flocos tabela nutricional

  • Calorias: 148 kcal
  • Carboidratos: 24 g
  • Proteínas: 7,2 g
  • Gorduras: 2,5 g
  • Fibras: 3,6 g
  • Sódio: 12,6 mg

+LEIA MAIS: Quinoa: tudo o que você precisa saber

Quinoa em flocos receitas

O uso da quinoa em flocos em receitas é bem vasto. Você pode usar ela desde o café da manhã até o jantar, trazendo sabor, textura e nutrientes para os seus pratos. Veja algumas sugestões:

Mingau de quinoa em flocos:

Mingau de quinoa em flocos

Em uma panela, coloque 1 xícara de água, 1/4 de xícara de quinoa em flocos, 1/4 de xícara de leite vegetal, 1 colher de chá de mel, 1 pitada de canela e 1 pitada de sal. Leve ao fogo médio, mexendo sempre, até engrossar. Sirva com frutas picadas, castanhas, coco ralado ou o que preferir.

Bolachinhas de quinoa em flocos:

Quinoa em flocos

Em uma tigela, misture 1 ovo, 3 colheres de sopa de açúcar mascavo, 2 colheres de sopa de manteiga, 2/3 de xícara de quinoa em flocos, 1/3 de xícara de farinha de aveia, 1 colher de chá de fermento em pó e 1 pitada de sal. Faça bolinhas com a massa e achate-as, formando bolachinhas. Coloque-as em uma assadeira untada e leve ao forno preaquecido a 180 ºC por cerca de 15 minutos ou até dourarem. Deixe esfriar e guarde em um pote fechado.

Salada de quinoa em flocos:

Salada de quinoa em flocos

Em uma panela, cozinhe 1 xícara de quinoa em flocos em 2 xícaras de água com 1 pitada de sal por cerca de 10 minutos ou até ficar macia. Escorra e deixe esfriar. Em uma saladeira, misture a quinoa cozida com 1 xícara de tomates-cereja cortados ao meio, 1/4 de xícara de cebola roxa picada, 1/4 de xícara de salsinha picada, 1/4 de xícara de hortelã picada, 2 colheres de sopa de suco de limão, 2 colheres de sopa de azeite, sal e pimenta-do-reino a gosto. Leve à geladeira por pelo menos 30 minutos antes de servir.

Quinoa em flocos: um alimento, muitos benefícios

Quinoa em flocos

Você já viu, ao longo deste artigo, que o consumo da quinoa traz benefícios à saúde. Agora, vamos detalhar mais alguns:

– Quinoa em flocos melhora o funcionamento do intestino

A quinoa em flocos é rica em fibras e isso ajuda o intestino a trabalhar melhor.

– Quinoa em flocos ajuda a queimar gordura

A quinoa em flocos é rica em gorduras boas, como ômega 3 e 6, e seu consumo ajuda o organismo a produzir enzimas responsáveis pela queima de gordura; aumenta o metabolismo e reduz o armazenamento de gordura.

– Quinoa em flocos melhora a imunidade

A quinoa em flocos é fonte de vitaminas C e E e por isso tem ação antioxidante. Essa combinação ajuda na manutenção do sistema imunológico, fortalecendo o organismo contra doenças.

– Quinoa em flocos faz bem para os músculos

A quinoa em flocos tem proteínas e aminoácidos essenciais e seu consumo ajuda o organismo no trabalho de regeneração dos tecidos, por isso é muito usada por quem pratica atividade física.

– Quinoa em flocos protege os ossos

A quinoa em flocos contém minerais como o cálcio, o magnésio e o fósforo, fundamentais para a manutenção da saúde óssea

+LEIA MAIS: Os benefícios da quinoa: alto valor nutricional

Maca peruana como começa a fazer efeito

Maca peruana: quando começa a fazer efeito e como usar

Você já se perguntou o que é maca peruana e quando começa a fazer efeito? A maca peruana é uma planta nativa da Cordilheira Andina da Bolívia, Peru e Equador. Ela é uma raiz que tem sido usada durante séculos por causa de suas propriedades medicinais e nutritivas. A maca peruana é considerada um superalimento, pois contém vitaminas, minerais, antioxidantes e fitoquímicos que podem trazer diversos benefícios para a saúde.  Mas afinal, a maca peruana: quando começa a fazer efeito?

Nesse artigo, vamos abordar uma série de características da maca peruana andina e responder a perguntas comuns feitas nas pesquisas do Google, como, por exemplo: “maca peruana: quando começa a fazer efeito?”

Além disso, vamos ver os tipos mais comuns de maca peruana, como usar essa planta da melhor forma e os benefícios da maca peruana. Acompanhe este conteúdo e boa leitura!

Maca peruana quando começa a fazer efeito: os tipos de maca peruana

Maca peruana quando começa a fazer efeito
Maca peruana em cápsulas e maca peruana seca in natura

Existem três tipos de maca peruana: a maca peruana amarela, a maca peruana vermelha e a maca peruana preta. Todas elas apresentam importantes benefícios para a saúde, mas cada uma tem diferentes propriedades e efeitos. As cores mais comuns são a amarela, a vermelha e a preta. Veja as diferenças entre elas:

  • Maca peruana amarela: é a mais conhecida e consumida, representa cerca de 60% a 65% da colheita. Ela é indicada para quem precisa de mais energia e disposição, pois fortalece a musculatura, combate a fadiga e melhora o desempenho físico e mental.
  • Maca peruana vermelha: representa de 20% a 25% da colheita. Tem uma cor que varia de rosa claro a vermelho. Ela é recomendada para quem quer prevenir ou tratar problemas na próstata. Ela também pode ajudar a reverter a osteoporose e a melhorar a saúde óssea. É considerada a maca com mais benefícios femininos.
  • Maca peruana preta: é a mais rara, representa 15% da colheita e sua cor varia de cinza claro a escuro. Ela é a mais potente para melhorar a saúde sexual, pois aumenta a libido, a fertilidade e o desempenho tanto em homens quanto em mulheres. Ela também tem efeitos positivos na memória, na aprendizagem e na concentração. Ela tem propriedades que são encontradas na tribulus terrestris que contribuem para diversos aspectos da saúde.

Para escolher a melhor maca peruana para seu caso, além de observar quais são seus objetivos, é importante procurar por produtos orgânicos e de alta qualidade. Certifique-se de que o produto foi processado de forma adequada para preservar seus nutrientes e compostos bioativos.

Agora você deve estar se perguntando “maca peruana: quando começa a fazer efeito e qual delas age mais rápido?” Bom, o tempo de ação delas é semelhante, uma vez que, ambos possuem os mesmos nutrientes, o que muda é a aparência externa (cor) e a quantidade de nutrientes que cada variante tem.

Mas, afinal: maca peruana, quando começa a fazer efeito?

Maca peruana quando começa a fazer efeito
Macas peruanas pretas, vermelhas e amarelas na terra

A maca peruana não é um remédio, mas, sim, um alimento funcional. Isso significa que seus efeitos dependem do consumo regular e da dose adequada para cada pessoa. Além disso, os resultados podem variar de acordo com o metabolismo, o estilo de vida e a alimentação de cada um.

De modo geral, os estudos científicos que avaliam os benefícios da maca peruana indicam que os efeitos começam a ser percebidos, em média, de 2 a 4 semanas após o uso diário. No entanto, para ter uma avaliação mais precisa da eficácia da planta, é recomendado usar a maca peruana por cerca de 6 a 12 semanas.

Um dos primeiros sinais de maca peruana quando começa a fazer efeito, e é original, é o aumento da energia e vitalidade de quem a ingeriu. Consumindo de forma contínua, sem extrapolar a dose recomendada, você percebe esse aumento de energia em semanas. Sabendo disso, fica fácil notar a maca peruana quando começa a fazer efeito.

Maca peruana quando começa a fazer efeito: como usar corretamente?

Maca peruana quando começa a fazer efeito

Agora que você já sabe identificar a maca peruana quando começa a fazer efeito podemos entrar em outro tópico: como usar corretamente. A maca peruana pode ser encontrada em diferentes formas de apresentação, como em pó, cápsulas, extrato ou farinha. As formas mais comuns e versáteis são a maca peruana em pó e a maca peruana em cápsulas.  Veja, abaixo, diferentes formas de como tomar a maca peruana.

O pó pode ser adicionado a diversos alimentos e bebidas, como sucos, vitaminas, iogurtes, cereais, sopas, saladas, entre outros.

A dose recomendada de maca peruana em pó é de 1 a 3 colheres de chá por dia, o que equivale a cerca de 3 a 10 gramas. Essa quantidade pode variar de acordo com o objetivo, a necessidade e a tolerância de cada pessoa. Por isso, é recomendado consultar um nutricionista antes de iniciar o uso da maca peruana.

As cápsulas de maca peruana podem ser consumidas com água ou outro líquido de sua preferência, seguindo as orientações da embalagem ou do profissional de saúde. É, também, um uso prático e muito utilizado pelos adeptos da maca peruana.

A maca peruana também pode ser encontrada na versão de extrato e farinha, normalmente usados em receitas ou de formas parecidas com o uso do pó, mas em quantidades menores.

Vale ressaltar que tanto a maca em cápsulas quanto a maca em pó devem ser compostas 100% de maca peruana original para que você obtenha os resultados que deseja. Por isso, quando você se perguntar: maca peruana quando começa a fazer efeito, o tempo de ação da maca em pó e em cápsula é diferente? A resposta é não. O que muda de uma versão para a outra é a forma de consumo. Em uma temos a praticidade das cápsulas e a outra temos a versatilidade de usá-las em receitas, shakes e sucos.

Maca peruana quando começa a fazer efeito: quais são os benefícios

Maca peruana quando começa a fazer efeito

A maca peruana é rica em fibras, o que ajuda a regular o trânsito intestinal e a promover a sensação de saciedade. Por isso, a maca peruana quando começa a fazer efeito costuma ser perceptível. Além disso, os nutrientes presentes na maca peruana são facilmente absorvidos pelo organismo, graças à sua composição equilibrada de carboidratos, proteínas e gorduras, favorecendo sua atuação positiva no corpo como um todo.

maca peruana quando começa a fazer efeito também é possível notar seus benefícios na saúde sexual, pois pode aumentar a libido, a fertilidade e o desempenho tanto em homens quanto em mulheres. Isso se deve aos compostos chamados macamidas e macaenos, que atuam no sistema nervoso central e nos hormônios sexuais.

Além disso, a maca peruana pode ajudar a reduzir os sintomas da menopausa, como ondas de calor, alterações de humor, insônia e secura vaginal. Isso ocorre porque a planta contém fitoestrógenos, que são substâncias vegetais que imitam a ação do estrogênio no organismo.

Maca peruana quando começa a fazer efeito: outros benefícios da maca peruana incluem:

Quando a maca peruana começa a fazer efeito?

A maca peruana quando começa a fazer efeito:

  • Melhora a energia e a disposição física e mental
  • Auxilia no fortalecimento do sistema imunológico e prevenção de doenças você nota na maca peruana quando começa a fazer efeito
  • Ajuda na regulação do açúcar no sangue e prevenção do diabetes é uma característica da maca peruana quando começa a fazer efeito

Além disso, a maca peruana quando começa a fazer efeito auxilia na proteção do fígado e dos rins contra toxinas e radicais livres. Com a maca peruana, quando começa a fazer efeito, é possível prevenir a osteoporose e auxiliar na melhora da saúde óssea. Você também pode notar sinais de melhora da pele, do cabelo e das unhas com a maca peruana quando começa a fazer efeito. E por falar em memória, ela ainda pode propiciar melhora do humor e da memória com a maca peruana quando começa a fazer efeito. Por fim, a maca peruana quando começa a fazer efeito melhora a circulação sanguínea e a pressão arterial.

É importante ressaltar que a eficácia e os efeitos citados podem variar de pessoa para pessoa, e nem todos os benefícios mencionados podem ser experimentados por todos os usuários.

Maca peruana quando começa a fazer efeito: quais são os cuidados ao usar

A maca andina é considerada um alimento seguro e bem tolerado pela maioria das pessoas, sem registro de efeitos colaterais. No entanto, algumas precauções devem ser tomadas ao usar essa planta, como:

  • Escolher um produto de qualidade, preferencialmente orgânico e certificado
  • Respeitar a dose recomendada e o tempo de uso
  • Fazer uma pausa no consumo da maca peruana a cada 3 ou 4 meses (essa é uma forma de manter os resultados do uso da maca constantes)
  • Evitar o uso da maca peruana em caso de alergia ou hipersensibilidade à planta
  • Consultar um médico antes de usar a maca peruana se estiver grávida, amamentando, tomando medicamentos ou sofrendo de alguma doença crônica
  • Observar possíveis efeitos colaterais, como dor de cabeça, náusea, insônia, acne ou alterações menstruais. No caso de perceber alguma alteração, suspenda o uso e consulte o médico.
Golden Milk

Golden milk: o que é esse leite dourado que alimenta e relaxa?

O golden milk, ou leite dourado, é uma bebida originária da medicina ayurvédica, uma tradição milenar da Índia, que busca a harmonia entre o corpo, a mente e a alma. O nome da bebida se deve à sua cor amarelada, em virtude do uso da cúrcuma, também conhecida como açafrão-da-terra, um dos seus principais ingredientes. A cúrcuma é uma especiaria com propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, antibióticas e antidepressivas, que pode ajudar a prevenir e tratar diversas doenças, desde gripes e inflamações até depressão.

Além da cúrcuma, o golden milk contém outras especiarias, como gengibre, canela, pimenta preta, cardamomo e noz-moscada, que também possuem benefícios para a saúde, como ação analgésica, digestiva, termogênica, imunológica e reguladora dos níveis de açúcar no sangue.

O leite usado na receita pode ser de origem animal ou vegetal, de acordo com a preferência e a tolerância de cada um. O leite fornece proteínas, cálcio e vitaminas, que contribuem para a nutrição e a hidratação do organismo.

O golden milk é uma bebida versátil, que pode ser consumida em qualquer hora do dia, mas é especialmente recomendada para o período da noite, antes de dormir, pois ajuda a relaxar, a reduzir a ansiedade e a induzir o sono. Além disso, o golden milk pode ser usado como ingrediente em outras receitas, como risotos, pipocas, frangos e até cafés, dando um toque especial e nutritivo aos pratos.

Além dessa introdução, em que discorremos sobre ‘golden milk o que é esse leite dourado’, ao longo deste artigo vamos responder também a algumas das principais dúvidas a respeito do golden milk, que são:

  • Golden milk emagrece
  • Golden milk benefícios
  • Golden milk ingredientes
  • Golden milk receitas

Confira o conteúdo e boa leitura!

Golden milk emagrece?

Golden Milk

O golden milk ganhou fama como um dos queridinhos do universo fit e, por esse motivo, é comum a pergunta se golden milk emagrece. O golden milk pode, de fato, ser um importante aliado no processo de emagrecimento, mas ele não é uma bebida milagrosa que ocasiona a perda de peso sozinha.

Para que o golden milk ajude a pessoa a emagrecer, é preciso combinar o seu consumo com uma alimentação equilibrada e uma rotina de exercícios físicos. Tendo isso em mente, é bom saber que o golden milk pode ajudar a emagrecer de várias formas:

Golden milk ajuda a emagrecer: o efeito da cúrcuma

A cúrcuma tem efeito termogênico, ou seja, aumenta a temperatura corporal e acelera o metabolismo, favorecendo a queima de calorias e gorduras. O golden milk também ajuda a emagrecer porque a cúrcuma promove a sensação de saciedade, reduzindo a fome e a compulsão alimentar. A cúrcuma ainda auxilia na melhora do humor e combate a depressão, que podem ser fatores que levam ao excesso de peso.

Golden milk ajuda a emagrecer: o gengibre, canela e pimenta preta

O Golden milk ajuda a emagrecer porque o gengibre, a canela e a pimenta preta também são termogênicos e, além disso, ajudam a controlar o apetite e a digestão. Eles também possuem ação anti-inflamatória, que pode reduzir o inchaço e a retenção de líquidos.

Golden milk ajuda a emagrecer: rico em proteínas

Golden milk ajuda a emagrecer porque o leite fornece proteínas, que são essenciais para a formação e a manutenção dos músculos. Os músculos consomem mais energia do que a gordura e esse processo ajuda na redução de peso. O leite também contém cálcio, que pode ajudar a regular o hormônio que armazena gordura no corpo.

Golden milk ajuda a emagrecer: bebida natural e sem açúcar

Golden milk ajuda a emagrecer porque pode substituir bebidas calóricas e açucaradas, como refrigerantes, sucos industrializados e achocolatados, que contribuem para o ganho de peso. O golden milk é uma bebida natural, sem adição de açúcar, que pode adoçar o paladar sem prejudicar a saúde. Rediagramar esses tópicos em h3, igual eu fiz nos itens acima como exemplos para vc.

Golden milk benefícios

Golden Milk

Além de sua atuação no processo de controle de peso, o consumo regular de golden milk oferece outras vantagens. Vamos conhecer alguns dos benefícios do Golden milk abaixo:

Golden milk benefícios: O golden milk é rico em nutrientes

Além disso, tem compostos bioativos que favorecem a saúde de forma geral.

Golden milk benefícios: O golden milk fortalece o sistema imunológico

Seu consumo previne e combate infecções, gripes e resfriados. A cúrcuma, o gengibre, a canela e a pimenta preta possuem propriedades antibióticas, antivirais e antifúngicas, que ajudam a eliminar os micro-organismos nocivos do organismo.

Golden milk benefícios: O golden milk combate inflamações e dores

Quadros como artrite, artrose, tendinite, gastrite e cólicas têm substancial melhora com o uso do golden milk. A cúrcuma, o gengibre, a canela e a pimenta preta possuem propriedades anti-inflamatórias e analgésicas, que aliviam a dor e a inflamação dos tecidos.

Golden milk benefícios: O golden milk protege o fígado e o sistema digestivo

Seu consumo facilita a eliminação de toxinas e a digestão dos alimentos. A cúrcuma, o gengibre, a canela e a pimenta preta estimulam a produção de bile e de enzimas digestivas, que melhoram o funcionamento do fígado e do intestino.

Golden milk benefícios: O golden milk previne e trata doenças crônicas

Quadros como diabetes, hipertensão, colesterol alto e doenças cardiovasculares podem ser evitados. A cúrcuma, o gengibre, a canela e a pimenta preta ajudam a regular os níveis de açúcar, pressão e colesterol no sangue, evitando o acúmulo de gordura nas artérias e o risco de trombose e infarto.

Golden milk benefícios: O golden milk melhora o humor e a saúde mental

Golden Milk

Ele combate a depressão, a ansiedade e o estresse. A cúrcuma, o gengibre, a canela e a pimenta preta aumentam a produção de neurotransmissores como a dopamina e a serotonina, que são responsáveis pela sensação de bem-estar, prazer e relaxamento.

Golden milk benefícios: O golden milk melhora a qualidade do sono

Seu consumo no período da noite induz um sono profundo e reparador. O golden milk é uma bebida quente e reconfortante, que ajuda a relaxar o corpo e a mente antes de dormir. Além disso, a cúrcuma, o gengibre, a canela e a pimenta preta reduzem a inflamação e a dor, que podem atrapalhar o sono.

+LEIA MAIS: Conheça os benefícios do golden milk 

Golden milk ingredientes

Golden Milk

O golden milk é uma receita milenar cujo nome faz referência à sua cor, como já mencionado, e também ao seu valor nutricional, que é considerado “de ouro”. Um bom exemplo para entender a versatilidade do golden milk é que nas famílias indianas de todas as classes, ele é oferecido para as crianças ao primeiro sinal de um resfriado.

Essa mistura proporciona benefícios ao organismo e pode ser consumida diariamente. É muito importante estar atento e verificar se na composição do golden milk possui algum ingrediente que cause alergia ou algum desconforto intestinal. Nesses casos a bebida não é indicada. Neste tópico (golden milk ingredientes), vamos ver um pouco mais sobre cada um dos componentes dessa bebida:

Ingredientes do golden milk: gengibre

O gengibre tem ação analgésica, detoxificante, digestiva e termogênica, ou seja, acelera o metabolismo e ajuda na queima de gordura.

Ingredientes do golden milk: canela

A canela tem ação anti-inflamatória, antifúngica, antibacteriana e antiviral, além de ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue e o colesterol.

Ingredientes do golden milk: pimenta do reino

A pimenta do reino tem ação anti-inflamatória, antioxidante, antibiótica e estimulante, além de aumentar a absorção da curcumina pelo organismo.

Ingredientes do golden milk: cardamomo

O cardamomo tem ação diurética, digestiva, expectorante e antisséptica, além de combater o mau hálito e aliviar cólicas e gases.

Ingredientes do golden milk: noz-moscada

A noz-moscada tem ação calmante, sedativa, anti-inflamatória e antiespasmódica, além de melhorar a circulação sanguínea e a memória.

Ingredientes do golden milk: mel

O mel, que é um ingrediente opcional muito utilizado para adoçar o golden milk, também tem propriedades nutritivas importantes. Ele ajuda a fortalecer o sistema imunológico, colabora com a boa digestão e combate prisão de ventre. O mel também é antisséptico, diurético, antioxidante, calmante e expectorante.

Se o objetivo ao consumir o golden milk for perda de peso, é mais recomendado usar xilitol ou stevia no lugar do mel. Se você ainda tem alguma dúvida a respeito das calorias dos adoçantes, leia este artigo: adoçante engorda?

Ingredientes do golden milk: mel

O mel, que é um ingrediente opcional muito utilizado para adoçar o golden milk, também tem propriedades nutritivas importantes. Ele ajuda a fortalecer o sistema imunológico, colabora com a boa digestão e combate prisão de ventre. O mel também é antisséptico, diurético, antioxidante, calmante e expectorante.

Se o objetivo ao consumir o golden milk for perda de peso, é mais recomendado usar xilitol ou stevia no lugar do mel. Se você ainda tem alguma dúvida a respeito das calorias dos adoçantes, leia este artigo: adoçante engorda?

Golden milk receitas

A fama dos benefícios do consumo de golden milk tem inspirado a criação de receitas variadas para aqueles que visam desfrutar de suas propriedades terapêuticas, com benefícios comprovados para a saúde e a longevidade.

Para fazer o golden milk, você vai precisar dos seguintes ingredientes:

  • 1 xícara de leite de sua preferência (pode ser de vaca, de cabra, de amêndoas, de coco, de arroz, de aveia etc.)
  • 1 colher de chá de cúrcuma em pó
  • 1/4 de colher de chá de gengibre em pó
  • 1/4 de colher de chá de canela em pó
  • 1 pitada de pimenta preta moída
  • 1 pitada de cardamomo em pó
  • 1 pitada de noz-moscada ralada
  • 1 colher de chá de mel ou outro adoçante natural de sua preferência (opcional)

Golden milk: veja o modo de preparo

O modo de preparo do golden milk é muito simples e rápido. Basta seguir os seguintes passos:

  • Em uma panela, aqueça o leite em fogo médio, sem deixar ferver.
  • Adicione a cúrcuma, o gengibre, a canela, a pimenta preta, o cardamomo e a noz-moscada e misture bem.
  • Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos, mexendo de vez em quando, para que os sabores se integrem.
  • Desligue o fogo e adoce com mel ou outro adoçante de sua preferência, se desejar.
  • Sirva o golden milk em uma caneca e aproveite os seus benefícios.

Golden mil receita: veja dicas e variações

  • Você pode variar as especiarias de acordo com o seu gosto. Por exemplo, você pode usar gengibre fresco ralado em vez de gengibre em pó, ou acrescentar cravo, anis-estrelado, baunilha ou casca de laranja à receita.
  • Dica de ouro: você pode acrescentar uma pitada de Black Maca Color Andina para potencializar os benefícios ao corpo e à mente do golden milk. Ou, se preferir, pode adquirir o golden milk já pronto.

Para saber mais sobre o golden milk, assista:

Óleo de Chia

Óleo de chia: um superalimento e um cosmético natural

A chia, cujo nome científico é Salvia hispania L., é uma planta da família das lamiáceas e tem origem no sul do México e da Guatemala. Registros históricos apontam que a semente de chia já era utilizada há muitos séculos pelos povos andinos, por trazer muitos benefícios à saúde, entre eles, o aumento da resistência física. O óleo de chia, que é extraído da semente da planta, é considerado um superalimento e um cosmético natural.

O óleo de chia é um produto muito saboroso, com altíssimo teor de ômega 3 e, inclusive, substitui os suplementos alimentares desse nutriente. O óleo de chia é versátil e pode ser usado em saladas e no preparo de arroz, carnes, pão, e fica uma delícia com frios.

Em meados da década de 1990, pesquisadores argentinos se debruçaram mais detidamente sobre a chia e foi a partir desses estudos que o óleo de chia se tornou bastante popular.

Apesar de muito utilizado por consumidores que têm preocupação com uma alimentação saudável, ainda existem dúvidas a respeito dessa semente. Nesse artigo, vamos esclarecer alguns questionamentos das buscas de pesquisas sobre a chia, que são: “óleo de chia para que serve”, “óleo de chia benefícios” e “óleo de chia para o rosto”. Confira o conteúdo e boa leitura!

Óleo de chia: para que serve?

Óleo de Chia

O óleo de chia tem sido considerado um superalimento e um cosmético natural e não é de hoje. Seu uso habitual favorece a absorção das  vitaminas A, D, E e K, o que proporciona um reforço nutricional ao organismo. Ele também é fonte de antioxidantes que atuam contra radicais livres. Essa ação protege a pele e evita o envelhecimento precoce. A vitamina B3, presente no óleo de chia, é anti-inflamatória e ajuda a reduzir manchas na pele.

O óleo de chia é um produto natural e é rico em ácidos graxos poli-insaturados, especialmente o já mencionado ômega 3. Esses ácidos graxos trazem diversos benefícios para a saúde e a beleza. Vamos ver um pouco mais neste tópico: ‘óleo de chia para que serve’.

Para que serve óleo de chia: prevenir e tratar doenças cardiovasculares

O óleo de chia é rico em ácidos graxos ômega-3, que são benéficos para a saúde do coração. Eles ajudam a reduzir o colesterol ruim (LDL), a pressão arterial e a inflamação, que são fatores de risco para doenças cardiovasculares. Além disso, o óleo de chia também contém antioxidantes, que protegem as células dos danos causados pelos radicais livres. O óleo de chia pode ser consumido puro, em cápsulas ou adicionado a saladas, sucos e outros alimentos.

Para que serve óleo de chia: controlar a diabetes

O óleo de chia pode ajudar a controlar a diabetes, pois tem um efeito hipoglicemiante, ou seja, ajuda a diminuir os níveis de açúcar no sangue. Isso se deve à presença de fibras solúveis no óleo de chia, que retardam a absorção de glicose pelo intestino. Além disso, o óleo de chia também melhora a sensibilidade à insulina, o hormônio que regula o metabolismo da glicose. O óleo de chia pode ser usado como substituto de outros óleos vegetais na cozinha, pois tem um sabor neutro e não altera o sabor dos alimentos.

Para que serve óleo de chia: combater a inflamação

O óleo de chia é um poderoso anti-inflamatório natural, pois contém ácidos graxos ômega-3, que modulam a resposta imunológica do organismo. Eles inibem a produção de substâncias pró-inflamatórias, como as citocinas, e estimulam a produção de substâncias anti-inflamatórias, como as prostaglandinas. O óleo de chia pode ser usado para aliviar os sintomas de doenças inflamatórias, como artrite, asma, colite, dermatite e outras. O óleo de chia pode ser aplicado diretamente na pele, em forma de compressa ou massagem, ou ingerido oralmente.

Para que serve óleo de chia: emagrecer

O óleo de chia pode auxiliar no processo de emagrecimento, pois tem um efeito saciante, ou seja, ajuda a diminuir a fome e a vontade de comer. Isso se deve à presença de fibras solúveis no óleo de chia, que formam um gel no estômago, aumentando a sensação de plenitude. Além disso, o óleo de chia também acelera o metabolismo, pois estimula a queima de gordura pelo fígado. O óleo de chia pode ser consumido antes das refeições, em forma de cápsulas ou misturado a água, chás ou sucos.

Para que serve óleo de chia: melhorar a saúde da pele e do cabelo

O óleo de chia é um excelente aliado para a saúde da pele e do cabelo, pois contém vitaminas, minerais e antioxidantes, que nutrem, hidratam e protegem os tecidos. O óleo de chia também tem propriedades regenerativas, que estimulam a produção de colágeno e elastina, responsáveis pela firmeza e elasticidade da pele. O óleo de chia pode ser usado como um cosmético natural, em forma de creme, óleo ou máscara, para tratar problemas como acne, rugas, manchas, ressecamento, queda e quebra de cabelo.

+ LEIA MAIS: Você conhece os benefícios do óleo de abacate?

Para que serve óleo de chia: fortalecer o sistema imunológico

O óleo de chia é um ótimo reforço para o sistema imunológico, pois contém ácidos graxos ômega-3, que aumentam a resistência do organismo contra infecções, vírus e bactérias. Eles também melhoram a função das células de defesa, como os linfócitos, os macrófagos e os neutrófilos. O óleo de chia também contém zinco, selênio e magnésio, que são minerais essenciais para o funcionamento do sistema imunológico. O óleo de chia pode ser consumido diariamente, em forma de cápsulas ou adicionado a alimentos, como iogurtes, cereais e frutas.

Óleo de chia: benefícios

Óleo de Chia

Já pudemos ter uma ideia das muitas propriedades benéficas do óleo de chia, mas a lista de vantagens ao consumir chia na sua rotina de alimentação e beleza não para por aí. Vamos detalhar um pouco mais agora outros benefícios do óleo de chia. Confira:

Benefícios do Óleo de Chia: estimula a produção de colágeno e elastina

O óleo de chia é um ótimo aliado para a beleza da pele, pois contém ácidos graxos ômega-3, que estimulam a produção de colágeno e elastina, as proteínas que dão firmeza e elasticidade à pele. O óleo de chia também tem propriedades antioxidantes, que combatem os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce. O óleo de chia pode ser usado como um hidratante natural, aplicado diretamente na pele ou misturado a cremes e loções.

Benefícios do Óleo de Chia: auxilia o tráfego intestinal

O óleo de chia é um excelente laxante natural, pois contém fibras solúveis e insolúveis, que regulam o trânsito intestinal. As fibras solúveis formam um gel no estômago, que aumenta a sensação de saciedade e facilita a digestão. As fibras insolúveis aumentam o volume das fezes, que estimulam os movimentos peristálticos do intestino. O óleo de chia pode ser consumido com água, sucos ou outros líquidos, preferencialmente em jejum ou antes das refeições.

Benefícios do Óleo de Chia: previne a pressão alta

O óleo de chia é um poderoso aliado para a saúde do coração, pois contém ácidos graxos ômega-3, que reduzem a pressão arterial. Eles atuam como vasodilatadores, ou seja, relaxam as paredes dos vasos sanguíneos, permitindo uma maior circulação do sangue. Eles também diminuem a viscosidade do sangue, evitando a formação de coágulos, que podem causar infartos e derrames. O óleo de chia pode ser usado como substituto de outros óleos vegetais na alimentação, pois tem um sabor neutro e não altera o sabor dos alimentos.

Benefícios do Óleo de Chia: ajuda a manter a saúde dos ossos

Óleo de Chia

O óleo de chia é um ótimo suplemento para a saúde dos ossos, pois contém cálcio, magnésio e fósforo, que são minerais essenciais para a formação e manutenção da massa óssea. Eles também previnem a osteoporose, uma doença que enfraquece os ossos e aumenta o risco de fraturas. O óleo de chia também contém boro, um elemento que ajuda na absorção e utilização do cálcio pelo organismo. O óleo de chia pode ser consumido em cápsulas ou adicionado a alimentos, como leite, iogurte e queijo.

Benefícios do Óleo de Chia: auxilia o tráfego intestinal

O óleo de chia também é rico em gorduras saudáveis, vitaminas e proteínas que auxiliam o tráfego intestinal.  O uso do óleo de chia ajuda a absorção de água pelas fezes, hidratando-as e tornando-as mais macias, facilitando a evacuação.

Benefícios do Óleo de Chia: controla a glicose

O óleo de chia ajuda a diminuir a velocidade de absorção dos carboidratos. Essa ação controla os  níveis de glicemia no sangue e auxilia na prevenção do surgimento da resistência à insulina e diabetes. Pelo mesmo processo, também ajuda a controlar os níveis de glicose no sangue de pessoas que já têm diabetes.

Benefícios do Óleo de Chia: melhora o humor

O óleo de chia também pode ajudar até a melhorar o humor. Isso porque é um produto rico em triptofano, um aminoácido que participa da produção de serotonina, que é um neurotransmissor que atua no sistema nervoso e regula o humor e o bem-estar

+LEIA MAIS: Benefícios da chia

Óleo de chia para o rosto

Como já mencionado, o óleo de chia é considerado um cosmético natural. Além dos benefícios trazidos por seu consumo como alimento, ele também pode ser aplicado diretamente sobre a pele do corpo todo. Neste tópico, vamos ver os benefícios do óleo de chia para o rosto.

Óleo de chia para o rosto: fonte de ômega 3

Óleo de Chia

O óleo de chia é a melhor fonte vegetal de ômega 3, superando até mesmo a linhaça. E esse nutriente, além de ajudar na manutenção da barreira natural de proteção da pele, auxilia na hidratação, elasticidade e regeneração da pele.

Óleo de chia para o rosto: hidratação

O óleo de chia pode ser usado no rosto de diversas formas. A mais simples é aplicar algumas gotas do óleo puro sobre a pele limpa e seca e espalhar até a absorção. Isso pode ser feito diariamente. Se for pela manhã, aplique antes do protetor solar.

Outra opção é misturar algumas gotas do óleo de chia com outros óleos vegetais, como o de argan ou de rosa mosqueta, para potencializar os efeitos hidratantes e regeneradores.

Óleo de chia para o rosto: no creme e como esfoliante

O óleo de chia pode ser usado, também, para enriquecer cremes hidratantes ou máscaras faciais. Basta adicionar algumas gotas do óleo de chia ao produto antes de aplicar sobre o rosto.

Uma esfoliação suave feita com óleo de chia e açúcar ajuda a remover as células mortas e a deixar a pele mais macia e luminosa. A receita é simples: misture uma colher de sopa de óleo de chia com duas colheres de sopa de açúcar e aplique sobre o rosto úmido, fazendo movimentos circulares. Depois, enxague bem e aplique o hidratante de sua preferência.

Óleo de chia para o rosto: natural e seguro

O óleo de chia é um produto natural e seguro, mas é recomendado fazer um teste de sensibilidade antes de usar o óleo no rosto, aplicando uma pequena quantidade na parte interna do braço e observando se há alguma irritação ou coceira. Em caso de dúvida, consulte um dermatologista antes de usar o óleo de chia.

Além disso, é importante escolher um produto de qualidade, com origem certificada. O óleo de chia da Andina Color Foods é 100% puro e é extravirgem.

O óleo de chia Color Andina Foods destaca-se pela origem e por ser um produto que mantém preservados todos os nutrientes e propriedades benéficas da chia. Ele é produzido com o uso exclusivo de sementes selecionadas e métodos de extração que preservam a pureza e a potência do óleo.

+ LEIA MAIS: Alimentação saudável: conheça a chia

Farinha de linhaça

Farinha de linhaça dourada: conheça os benefícios desse alimento funcional

A farinha de linhaça dourada é um alimento funcional que traz diversos benefícios para a saúde, como reduzir a inflamação do organismo, prevenir doenças cardiovasculares, combater a prisão de ventre, ajudar no tratamento da diabetes e aliviar os sintomas da menopausa.

Neste artigo, você vai ver respostas para algumas das dúvidas mais comuns feitas nas buscas do Google sobre a farinha de linhaça dourada, como, por exemplo:

  • Farinha de linhaça benefícios
  • Farinha de linhaça para que serve
  • Farinha de linhaça emagrece
  • Farinha de linhaça marrom
  • Farinha de linhaça tabela nutricional

Além disso, você vai ver, também, como consumir a farinha de linhaça dourada, para usufruir de todo seu teor nutritivo.

Acompanhe o conteúdo e boa leitura!

Farinha de linhaça: benefícios

A farinha de linhaça é um alimento de grande valor nutricional e, por esse motivo, é muito utilizada por aqueles que buscam uma alimentação mais saudável. A farinha de linhaça também é rica em fibras, que ajudam a regular o intestino, controlar o apetite e reduzir o colesterol.

Vamos ver, em detalhes, tudo de positivo que o consumo da farinha de linhaça pode fazer por sua saúde.

Farinha de linhaça: Reduz a inflamação do corpo

A farinha de linhaça é rica em ômega-3, uma gordura boa que ajuda a reduzir a produção de substâncias inflamatórias no organismo.

Farinha de linhaça: Previne doenças cardiovasculares

A farinha de linhaça também contém ômega-6 e fitoesterois. Essas substâncias gordurosas (saudáveis) ajudam a evitar que o colesterol se deposite nas artérias, reduzindo o risco de aterosclerose, AVC e infarto.

Farinha de linhaça: Diminui o colesterol

A farinha de linhaça, como já mencionado, é rica em fibras. As fibras são importantes para reduzir a absorção da gordura dos alimentos e a produção de colesterol pelo fígado. Essa ação, ajuda a baixar o colesterol ruim e os triglicerídeos do sangue.

Farinha de linhaça: Combate a prisão de ventre

A farinha de linhaça também tem fibras solúveis e insolúveis, que ajudam a aumentar o volume das fezes e acelerar os movimentos intestinais. Isso ajuda a prevenir e também a tratar a constipação.

Farinha de linhaça: Ajuda no tratamento da diabetes

A farinha de linhaça ajuda a diminuir a absorção de glicose da alimentação. Com isso, ela promove uma redução dos níveis de açúcar no sangue e melhora a resposta do corpo à insulina. Essa combinação de fatores ajuda na prevenção e no controle do diabetes.

Farinha de linhaça: Alivia os sintomas da menopausa:

A farinha de linhaça pode ajudar a aliviar as ondas de calor, a secura vaginal e alterações de humor, sintomas comuns da menopausa para muitas mulheres. Isso é possível porque a farinha de linhaça contém lignanas, que são compostos com uma ação semelhante ao estrogênio, o hormônio feminino.

Farinha de linhaça: Auxilia na perda de peso

A farinha de linhaça pode ajudar a emagrecer, pois as fibras aumentam a sensação de saciedade e isso auxilia a reduzir a compulsão por comer. Além disso, o ômega-3 também presente na farinha de linhaça tem um efeito termogênico, que acelera o metabolismo e a queima de gordura.

Farinha de linhaça: Age como antioxidante

A farinha de linhaça também conta com compostos fenólicos. Essas substâncias combatem os radicais livres, que causam o envelhecimento precoce e diversas doenças. A farinha de linhaça ainda é fonte de vitaminas e minerais, que fortalecem o sistema imunológico e previnem anemias.

+LEIA MAIS: Farinha de linhaça: 10 benefícios e como fazer

Farinha de linhaça emagrece

Farinha de linhaça
É possível fazer pão com farinha de lichaça

Saber se a farinha de linhaça emagrece está entre algumas das principais buscas sobre o tema no Google. E, sim, farinha de linhaça emagrece. Essa é, inclusive, uma das propriedades mais conhecidas desse alimento.

A farinha de linhaça emagrece por ser rica em fibras, que aumentam a sensação de saciedade e reduzem o apetite, fazendo com que você coma menos calorias ao longo do dia. Além disso, as fibras também melhoram o funcionamento do intestino, evitando a prisão de ventre e o inchaço abdominal.

Além desse, outro fator que contribui para o emagrecimento é o também já mencionado ômega-3. Essa gordura boa tem ação anti-inflamatória e antioxidante, ajudando a combater a inflamação crônica que está associada ao excesso de peso e à resistência à insulina.

Você já viu, também, que a farinha de linhaça contém lignanas. Esses compostos têm uma estrutura química semelhante à dos hormônios femininos e podem atuar como moduladores hormonais que afetam, inclusive, o apetite.

você pode consumir a farinha de linhaça de diferentes maneiras (veja mais abaixo). Se for usá-la em bebidas ou pratos doces, use stevia em pó; o adoçante não tem sabor residual e não aumenta o nível de calorias dos alimentos.

+LEIA MAIS: Farinha de linhaça pode reduzir açúcar no sangue

Farinha de linhaça: para que serve?

Farinha de linhaça

Já vimos os vários benefícios trazidos pelo consumo da farinha de linhaça. Todos esses benefícios também respondem à pergunta ‘farinha de linhaça para que serve’, ou seja, a farinha de linhaça é uma escolha inteligente para você alcançar ganhos em sua saúde e bem-estar. 

Para usufruir de todos os benefícios da farinha de linhaça, é importante saber as melhores maneiras de consumi-la.

Além de funcional, a farinha de linhaça é um alimento bastante versátil. Ela pode ser usada em diversas receitas, substituindo inclusive parte da farinha de trigo ou de outros cereais. Ela confere um sabor levemente adocicado e uma textura mais úmida e macia aos alimentos.

Para substituir a farinha de trigo, use a proporção de 1/4 de xícara de farinha de linhaça para cada xícara de farinha de trigo. Por exemplo, se a receita pede duas xícaras de farinha de trigo, use uma xícara e meia de farinha de trigo e meia xícara de farinha de linhaça.

Além disso, o que nem todo mundo sabe, é que a farinha de linhaça pode ser usada como substituta do ovo em receitas veganas, pois tem propriedades que ajudam a dar liga e consistência. Veja como fazer:

Para substituir um ovo, misture uma colher de sopa de farinha de linhaça com três colheres de sopa de água e deixe descansar por 15 minutos. Depois, use na receita como se fosse o ovo.

Farinha de linhaça: tabela nutricional

A farinha de linhaça é uma ótima opção para enriquecer a dieta com nutrientes que favorecem a saúde e o bem-estar. Experimente incluir esse alimento no seu cardápio e aproveite todos os seus benefícios. Confira, abaixo, tudo que a farinha de linhaça contém:

Uma colher de sopa cheia (14 g) de farinha de linhaça fornece:

  • Calorias: 74 kcal
  • Carboidratos: 4,3 g
  • Proteínas: 2,5 g
  • Gorduras: 5,9 g
  • Fibras: 4 g
  • Ômega-3: 2,8 g
  • Ômega-6: 0,7 g
  • Magnésio: 40 mg
  • Fósforo: 80 mg
  • Vitamina B1: 0,2 mg
  • Cobre: 0,1 mg

Farinha de linhaça dourada e farinha de linhaça marrom. Qual a diferença?

Farinha de linhaça

A farinha de linhaça dourada é obtida a partir da moagem das sementes de linhaça dourada. Esse tipo de semente é cultivada em regiões que apresentam o frio e seco. Essa variedade de linhaça tem um sabor mais suave e uma casca mais fina do que a farinha de linhaça marrom, o que facilita a sua digestão e absorção pelo organismo.

A farinha de linhaça marrom, como o nome sugere, é feita a partir da moagem das sementes de linhaça marrom. Essa variedade de linhaça, ao contrário da dourada, é cultivada em locais de clima quente e úmidos. A farinha de linhaça marrom tem um sabor mais intenso e uma casca mais grossa do que a linhaça dourada, o que pode dificultar a sua digestão e absorção.

A farinha de linhaça marrom também é rica em fibras e contém ômega-3 e lignanas, mas tem uma concentração menor desses nutrientes do que a farinha de linhaça dourada. Por esses motivos, ela costuma ser mais barata do que a farinha de linhaça dourada.

+LEIA MAIS: Semente de chia: alimento saudável e versátil

Como consumir a farinha de linhaça?

Panqueca de farinha de linhaça
Panqueca de farinha de linhaça

A quantidade recomendada pelos nutricionistas de farinha de linhaça, de uma forma geral, é de 2 a 3 colheres de sopa por dia, que podem ser divididas entre as refeições. Você pode adicionar a farinha de linhaça em iogurtes, frutas, vitaminas, sucos, saladas, sopas, mingau, pães, bolos, biscoitos e outras receitas.

+LEIA MAIS: Farinha de linhaça receitas

Quais as contraindicações da farinha de linhaça?

A farinha de linhaça é um alimento seguro e natural, mas deve ser consumida com moderação, pois pode causar alguns efeitos colaterais se ingerida em excesso ou de forma inadequada. Alguns desses efeitos são:

  • Distensão abdominal, gases, cólicas e diarreia, devido ao alto teor de fibras;
  • Diminuição da absorção de alguns medicamentos, como anticoagulantes, anticoncepcionais e hormônios, devido à interação das fibras com as substâncias;
  • Alterações hormonais, principalmente em mulheres grávidas, lactantes ou com problemas na tireoide, devido à ação das lignanas.

Por isso é importante atentar à dose diária recomendada, beber bastante água para hidratar as fibras e evitar o consumo de farinha de linhaça junto com os medicamentos. O ideal é deixar um intervalo de pelo menos duas horas entre eles. Além disso, é sempre recomendável consultar um nutricionista para saber exatamente qual a melhor dieta alimentar para seu caso.

Onde comprar a farinha de linhaça?

A farinha de linhaça pode ser encontrada em casas de produtos naturais, supermercados, farmácias e sites de e-commerce. O mais importante, é se certificar de que você está adquirindo uma farinha de linhaça de qualidade, obtida através de grãos selecionados e produzida de maneira que preserve seu alto teor nutritivo.

+LEIA MAIS: Farinha de quinoa: sua dieta mais rica e saudável

adoçante dietético

Adoçante dietético: quais os tipos e como usar

Adoçante dietético é um tipo de adoçante que não contém sacarose, frutose ou glicose na sua composição. O adoçante dietético é indicado para pessoas que têm restrição ao consumo de açúcar, como os diabéticos, ou que querem diminuir o consumo de açúcar para emagrecer, por exemplo.

Os adoçantes dietéticos podem ser naturais ou artificiais, nutritivos (fornecem calorias) ou não nutritivos (não fornecem calorias), e têm diferentes poderes adoçantes. Alguns exemplos de adoçantes dietéticos são xilitol, eritritol, adoçante stevia e sucralose. Aprofundaremos tudo isso mais abaixo!

O adoçante dietético pode ser usado para adoçar bebidas, receitas ou alimentos prontos. O uso de adoçante dietético deve ser moderado, pois o uso excessivo pode acarretar efeitos colaterais.

Nesse artigo vamos ver mais detalhes sobre adoçante dietético, quais os tipos de adoçante dietético, quais as vantagens e desvantagens de vários adoçantes dietéticos e como usar adoçante dietético. Vamos, também, discorrer sobre o adoçante dietético em pó e sobre um tema muito procurado na internet: adoçante dietético para que serve. Confira e boa leitura!

Adoçante dietético em pó substitui o açúcar e tem quase zero calorias

adoçante dietético

O adoçante dietético em pó é um produto que substitui o açúcar comum nas receitas e bebidas, sem adicionar muitas calorias ou afetar os níveis de glicose no sangue. O adoçante dietético em pó pode ser usado em proporções iguais ou diferentes do açúcar, dependendo do seu poder adoçante. O adoçante stevia em pó, por exemplo, tem poder adoçante 300 vezes maior que o do açúcar, por esse motivo, é usado em quantidades mínimas.

Alguns adoçantes dietéticos em pó também têm benefícios para a saúde, como prevenir cáries, fornecer fibras e antioxidantes. Em que pesem todas essas vantagens, é importante ter em mente que o adoçante dietético deve ser consumido sem exageros para evitar efeitos colaterais.

Adoçante dietético para que serve

Como já mencionado, o adoçante dietético é um substituto do açúcar. Para detalharmos ainda melhor o item “adoçante dietético para que serve” vale conferir o que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) diz a respeito: “os adoçantes são produtos especificamente formulados para conferir sabor doce a alimentos e bebidas. Os adoçantes dietéticos também conferem doçura, mas sem possuir sacarose na composição, uma vez que são elaborados para atender às necessidades de pessoas com restrição a carboidratos simples (diabéticos)”.

Os adoçantes dietéticos são constituídos por edulcorantes e agentes de corpo. Os edulcorantes são as substâncias químicas responsáveis pelo sabor adocicado e normalmente possuem um poder adoçante muito superior ao da sacarose. É necessária, portanto, uma quantidade menor para obter a mesma doçura. Ainda há a vantagem de ter menos ou nenhuma caloria.

Os edulcorantes são divididos em:

Adoçante dietético

1) Naturais (extraídos de vegetais e frutas)
– esteviosídeo (Stevia)
– sorbitol
– manitol
– sucralose

2) Artificiais (produzidos em laboratório)
– sacarina
– aspartame
– ciclamato
– acesulfame-K

Os adoçantes cuja matéria-prima são edulcorantes, em geral não são absorvidos pelo organismo, ou contêm valor calórico muito reduzido e por isso fazem parte de dietas de redução de peso. Podem ser classificados em nutritivos (fornecem calorias) ou não nutritivos (não fornecem calorias).

Vamos conferir alguns tipos:

Adoçantes dietéticos naturais:

Esteviosídeo (stevia)

  • edulcorante natural extraído da planta Stevia rebaudiamv.
  • poder edulcorante relativo: 180.
  • adoçante nutritivo.
  • estável sob altas temperaturas e em meio ácido.
  • usado como adoçante de mesa, gomas de mascar, balas, bombons, bebidas, gelatinas, pudins, sorvetes, bolos, iogurtes, enfim, por poder ser aquecido, você pode adoçar literalmente tudo com Stevia.
  • se a planta é de excelente qualidade e os processos de extração são artesanais, o adoçante stevia não deixa sabor residual

Sorbitol

  • pertence à categoria dos polialcoóis (forma alcoólica da sacarose).
  • presente em várias frutas.
  • poder edulcorante relativo: 60.
  • adoçante nutritivo: valor calórico equivalente ao da sacarose.
  • associado à frutose.
  • usado como geleias, gomas de mascar, balas e panetones.

Manitol

  • pertence à categoria dos polialcoóis (forma alcoólica da manose).
  • presente em várias frutas.
  • poder edulcorante relativo: 50.
  • adoçante nutritivo: valor calórico equivalente ao da sacarose.
  • usado como gomas de mascar e balas.

Sucralose

  • origem: molécula modificada da sacarose.
  • poder edulcorante relativo: 600.
  • adoçante não nutritivo.
  • não deixa sabor residual.
  • estável sob altas temperaturas, sendo utilizado em preparações destinadas à cocção.
  • usado como adoçante de mesa e em preparações.

Adoçantes dietéticos artificiais

Sacarina

  • substância derivada do petróleo.
  • poder edulcorante relativo: 300.
  • sabor residual amargo em concentrações altas.
  • redução de sabor residual pela mistura de sacarina e ciclamato.
  • adoçante não nutritivo.
  • submetida ao calor, não perde suas propriedades.

Ciclamato

  • substância derivada do petróleo.
  • poder edulcorante: 30.
  • sabor agridoce.
  • proibida a comercialização nos EUA (estudos indicam que a hidrólise do ciclamato, no trato digestivo, pode produzir uma substância carcinogênica).
  • adoçante não nutritivo.
  • estável sob altas temperaturas, sendo utilizado em preparações destinadas à cocção.
  • longa validade e bastante solúvel em água.
  • usado como adoçante de mesa, gomas de mascar, bebidas, congelados, refrigerantes, geleias e sorvetes.

Aspartame

  • origem: combinação dos AA à fenilalanina e ácido aspártico.
  • poder edulcorante: 180.
  • sem sabor residual amargo.
  • acentuado aroma de sabor de frutas ácidas.
  • adoçante nutritivo (fornece calorias): 4 kcal/g.
  • instável sob altas temperaturas, sendo inadequado em preparações destinadas à cocção.
  • usado como adoçante de mesa, misturas, pós, gomas de mascar, balas, sobremesas, bebidas, congelados, refrigerantes, coberturas, xaropes e produtos lácteos.

Confira nesse vídeo mais detalhes sobre as diferenças entre adoçante dietético natural e adoçante dietético artificial.

+LEIA MAIS: Anvisa delibera sobre enquadramento de adoçantes dietéticos e de mesa 

Adoçantes dietéticos: vantagens e desvantagens

Os adoçantes naturais são aqueles extraídos de plantas ou de alimentos de origem animal, como a frutose, o sorbitol, o xilitol, o eritritol e a estévia. Eles costumam ter benefícios para a saúde, como prevenir cáries, fornecer fibras e antioxidantes, regular a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangue. Dentre eles, a Stevia costuma ser a mais indicada por especialistas, pois não possui efeitos colaterais (como inchaço, diarreia, e outros). 

Os adoçantes artificiais são aqueles obtidos de produtos naturais ou não, através de reações químicas e processos industriais, como o aspartame, a sacarina, o ciclamato, o acessulfame-K e a sucralose. Eles têm um poder adoçante muito maior do que o açúcar, e por isso são usados em pequenas quantidades. Eles são indicados para diabéticos, pois não elevam a glicose no sangue. No entanto, eles também podem ter efeitos negativos para a saúde, como causar dor de cabeça, enxaqueca, ansiedade, depressão, alterações no paladar, no apetite e na flora intestinal. 

O ideal é consultar um profissional de saúde para orientar a escolha e o consumo adequado de adoçantes dietéticos, e sempre verificar os rótulos dos produtos para saber quais são os ingredientes e as quantidades utilizadas. 

+LEIA MAIS: Xilitol ou Stevia – Qual é Melhor?

Óleo de abacate

Você conhece todos os benefícios do óleo de abacate?

O óleo de abacate é um produto natural, extraído da polpa do abacate. É um produto muito rico em compostos bioativos com propriedades antioxidantes, como vitamina E e catequinas, que ajudam no combate aos radicais livres.

Além de ser um óleo que oferece uma série de benefícios para a saúde e para a beleza, o óleo de abacate tem um sabor muito apreciado e, por isso, tem sido muito usado na culinária. Ele pode ser usado como tempero para saladas, molhos, massas e pães, assim como também para fritar e grelhar, pois ele não perde suas propriedades com o calor.

Os benefícios do óleo de abacate vêm despertando cada vez mais interesse e, por esse motivo, ele tem se tornado também mais presente na composição de produtos cosméticos como hidratante para a pele e cabelo, ou como ingrediente para máscaras, cremes e sabonetes.

Para você aproveitar ao máximo as vantagens oferecidas pelo uso do óleo do abacate, é importante saber que a melhor versão do produto é o óleo de abacate puro, para evitar aditivos químicos e conservantes que podem prejudicar sua qualidade e seus efeitos benéficos.

Como muitos já sabem, o abacate é uma fruta rica em gorduras boas, vitaminas, minerais e antioxidantes; agora, vamos ficar sabendo mais sobre o óleo de abacate. Nesse artigo, vamos nos aprofundar em três tópicos que são muito buscados em pesquisas na internet: “óleo de abacate para que serve”, “óleo de abacate benefícios”, “óleo de abacate puro”. Boa leitura!

Óleo de abacate para que serve

Já abordamos rapidamente sobre algumas das principais propriedades do óleo de abacate. Agora vamos detalhar um pouco mais o tópico “óleo de abacate para que serve”.

Como já mencionado, o óleo de abacate é utilizado na culinária, mas como fazer isso? É simples. O óleo de abacate é um ótimo substituto de outros óleos ou gorduras, pois além de ser muito saudável, tem um sabor suave e um alto ponto de fumaça, o que significa que ele não se degrada facilmente com o calor. Portanto, você pode usar o óleo de abacate para fazer molhos, marinadas, finalizar pratos, cozinhar alimentos ou substituir a manteiga em receitas de bolos e pães, por exemplo.

Aqui está um resumo dos principais usos e vantagens do óleo de abacate:

  • Óleo de abacate serve para manter o coração saudável, pois contém gorduras boas que reduzem o colesterol ruim e aumentam o colesterol bom. Ele também previne o acúmulo de gordura nas artérias e regula a pressão arterial
  • Óleo de abacate serve para melhorar a digestão, pois tem efeito anti-inflamatório e antioxidante, que protege as células do aparelho digestivo e facilita a absorção de nutrientes. Ele também ajuda a prevenir a azia, o inchaço e os gases
  • Óleo de abacate serve para combater os radicais livres e impedir a oxidação das células. Ele também tem vitamina E, que protege o DNA e evita mutações que podem levar ao desenvolvimento de tumores
  • Óleo de abacate serve para fortalecer a pele e os cabelos, pois tem vitaminas, minerais e lecitina, que hidratam, nutrem, desintoxicam e regeneram a pele e os fios. Ele também tem propriedades anti-inflamatórias e cicatrizantes, que ajudam a tratar problemas como acne, eczema, psoríase e doença periodontal
  • Óleo de abacate serve para prevenir o Alzheimer, pois tem substâncias que têm ação neuroprotetora e anti-inflamatória, que protegem as células do sistema nervoso central e evitam a degeneração cognitiva
  • Óleo de abacate serve para fortalecer os ossos, pois tem vitamina D, magnésio e cálcio, que são essenciais para a formação e a manutenção da massa óssea. Ele também ajuda a prevenir a osteoporose e a reduzir o risco de fraturas .
  • Óleo de abacate serve para prevenir o diabetes, pois tem ácido oleico e vitamina E, que melhoram a sensibilidade à insulina e o controle da glicemia. Ele também tem fibras, que retardam a absorção de açúcar no sangue e evitam picos de insulina.

Óleo de abacate benefícios

óleo de abacate

Como pudemos ver, o óleo de abacate é uma opção saudável e versátil para usar no seu dia a dia. O que muita gente não sabe é que o óleo de abacate é um produto natural que tem sido usado há muito tempo na culinária e na cosmética. Segundo algumas fontes, o óleo de abacate já era conhecido e utilizado pelos povos pré-colombianos da América Central e do Sul, como os astecas, os maias e os incas. Eles usavam o óleo de abacate para tratar feridas, infecções, queimaduras, problemas de pele e cabelo, além de consumi-lo como alimento e bebida.

Com a chegada dos espanhóis ao continente americano, o óleo de abacate foi levado para a Europa, onde também passou a ser usado para fins medicinais e culinários. No entanto, o óleo de abacate só ganhou maior popularidade e reconhecimento no século XX, quando começaram a surgir pesquisas científicas que comprovavam seus benefícios para a saúde e a beleza.

Então, agora que já sabemos um pouco da história do óleo de abacate, vamos ao tópico ‘óleo de abacate benefícios’.

Hoje em dia, o óleo de abacate é produzido e comercializado em vários países, sendo considerado um óleo de alta qualidade e valor nutricional. Além de tudo o que já foi citado, o óleo de abacate também é usado como hidratante, cicatrizante, anti-inflamatório e antioxidante para a pele e cabelo.

Entre seus benefícios, é possível citar que o óleo de abacate é rico ácido oleico, o ômega 3, o ômega 6 e o ômega 9, que ajudam a reduzir o colesterol ruim, a prevenir doenças cardiovasculares, a melhorar a sensibilidade à insulina, a proteger o cérebro e a fortalecer o sistema imunológico. Ele também contém vitaminas, minerais e antioxidantes, como a vitamina E, a vitamina C, o potássio, o magnésio, o cálcio e os esteróis vegetais, que combatem os radicais livres, previnem o envelhecimento precoce, o Alzheimer, a osteoporose e a inflamação.

Óleo de abacate puro

Óleo de abacate

Como já mencionamos, o óleo de abacate puro e natural é a melhor escolha quando for utilizar o produto em sua rotina diária. Para saber se o óleo de abacate é puro, você pode observar alguns aspectos, como a cor, o cheiro, o sabor, a textura e a composição do produto. O óleo de abacate puro tem uma cor verde clara ou amarelada, dependendo da variedade do abacate usado na produção. O óleo de abacate tem um aroma suave e agradável, semelhante ao da fruta, e não apresenta odor rançoso. Seu sabor é levemente adocicado e frutado, nunca amargo ou ácido. E o óleo de abacate tem uma textura fluida e oleosa, e não viscosa ou grudenta.

O óleo de abacate 100% natural não pode ter aditivos químicos, conservantes, corantes ou aromatizantes artificiais. E o melhor é se for extravirgem, ou seja, prensado a frio, pois isso garante a preservação das propriedades nutricionais e antioxidantes do óleo. O óleo de abacate prensado a frio é obtido por meio de um processo mecânico que não utiliza calor, solventes ou outros agentes químicos, mantendo a qualidade e a pureza do óleo. Para garantir que esses procedimentos estão sendo respeitados, é importante adquirir o óleo de abacate de uma empresa reconhecidamente séria e com histórico de produtos de qualidade.

Óleo de abacate: uma opção saudável e natural

Ao longo desse artigo pudemos ver uma série de benefícios e vantagens do uso do óleo de abacate em sua rotina, assim como diferentes maneiras de usá-lo na culinária, para garantir uma alimentação mais saudável. Agora vamos reunir esses tópicos e ver mais alguns detalhes a respeito dessas formas de uso e, também, desses benefícios. Confira:

Algumas formas de usar o óleo de abacate na culinária são:

Óleo de abacate
  • Em molhos para salada e marinadas caseiras: você pode misturar o óleo de abacate com vinagre, limão, ervas, sal e pimenta para fazer um molho simples e saboroso para saladas verdes, de grãos ou de frutas. Você também pode usar o óleo de abacate para fazer marinadas para carnes, peixes ou tofu, adicionando alho, cebola, mostarda, mel, molho de soja ou outros temperos de sua preferência;
  • Para finalizar pratos de grãos, massas e vegetais assados: você pode regar um pouco de óleo de abacate sobre os pratos prontos para dar um toque extra de sabor e umidade. O óleo de abacate combina bem com arroz, quinoa, macarrão, batata, abóbora, cenoura, brócolis, couve-flor e outros vegetais;
Óleo de abacate
  • Para cozinhar carnes, ovos, peixes e vegetais: você pode usar o óleo de abacate para fritar, grelhar, assar ou refogar os alimentos, pois ele resiste bem às altas temperaturas e não perde suas propriedades nutricionais. O óleo de abacate também ajuda a evitar que os alimentos grudem na panela ou na forma;
  • Como substituto da manteiga em receitas como bolos e pães: você pode trocar a manteiga pelo óleo de abacate na mesma proporção em receitas de bolos, pães, muffins, cookies e outras massas. O óleo de abacate vai deixar as massas mais macias, úmidas e leves, além de reduzir o teor de gordura saturada e aumentar o de gordura insaturada.

Algumas das propriedades e vantagens do óleo de abacate são:

  • O óleo de abacate possui a clorofila, que ajuda a remover o chumbo e mercúrio do cérebro, fígado, rins e outros órgãos;
  • O óleo de abacate possui beta-sitosterol, que auxilia a converter as gorduras menos saudáveis nas formas utilizáveis que são menos prejudiciais para as células. As propriedades anti-inflamatórias do óleo de abacate ajudam a limitar os danos das paredes arteriais e também reduz as hipóteses de doença cardíaca que são causados por depósitos de placa;
  • O óleo de abacate possui minerais, vitaminas e ácidos graxos monoinsaturados que ajudam no bom funcionamento do aparelho digestivo;
Óleo de abacate
  • O óleo de abacate possui minerais e vitaminas que nutrem o corpo por dentro e por fora. Ele contém potássio, vitamina E, e lecitina, que melhoram o crescimento saudável da pele nova;
  • O óleo de abacate tem ácido oleico, que ajuda a aliviar os desconfortos da pele, calcanhares rachados, picadas de insetos, eczema, caspa, queratose pilar e queimaduras;
  • O óleo de abacate possui elevado nível de proteína com os teores de aminoácidos que auxilia na regeneração de tecido, bem como a renovação de células. O óleo de abacate atualiza a produção de colágeno. A ingestão ou aplicação de óleo de abacate retarda o processo de envelhecimento da pele;
  • Ele ajuda a manter o coração saudável, pois contém ácido oleico, uma gordura monoinsaturada que reduz o colesterol ruim e aumenta o colesterol bom. Ele também tem beta-sitosterol, uma substância que previne o acúmulo de gordura nas artérias e regula a pressão arterial;
  • Ele melhora a digestão, pois tem efeito anti-inflamatório e antioxidante, que protege as células do aparelho digestivo e facilita a absorção de nutrientes. Ele também ajuda a prevenir a azia, o inchaço e os gases;
  • Ele fortalece a pele e os cabelos, pois tem vitamina E, vitamina C, potássio e lecitina, que hidratam, nutrem, desintoxicam e regeneram a pele e os fios. Ele também tem propriedades anti-inflamatórias e cicatrizantes, que ajudam a tratar problemas como acne, eczema, psoríase e doença periodontal;
  • Ele previne o Alzheimer, pois tem ácido hidroxifenilacético e vanilina, que têm ação neuroprotetora e anti-inflamatória, que protegem as células do sistema nervoso central e evitam a degeneração cognitiva;
  • Ele fortalece os ossos, pois tem vitamina D, magnésio e cálcio, que são essenciais para a formação e a manutenção da massa óssea. Ele também ajuda a prevenir a osteoporose e a reduzir o risco de fraturas;
  • Ele ajuda a prevenir o diabetes, pois tem ácido oleico e vitamina E, que melhoram a sensibilidade à insulina e o controle da glicemia. Ele também tem fibras, que retardam a absorção de açúcar no sangue e evitam picos de insulina.
qual o melhor adoçante

Qual o melhor adoçante que existe?

A preocupação crescente com uma vida mais saudável tem levado cada vez mais pessoas a abrirem mão do açúcar em sua alimentação. Nesse contexto, os adoçantes ganham papel de destaque como substituto para adoçar bebidas e receitas. Mas, diante de tantas opções diferentes no mercado, uma pergunta se apresenta: qual o melhor adoçante?

Existem vários tipos de adoçantes, que podem ser naturais ou artificiais, em pó, líquido, em pílulas, com ou sem calorias… Cada um tem suas características próprias e podem ser mais ou menos vantajosos, dependendo do objetivo de cada pessoa. Afinal, o uso do adoçante, mais do que uma opção, pode ser uma necessidade para aqueles que não podem consumir açúcar, por causa da diabetes, por exemplo; ou pode ser uma maneira de auxiliar numa dieta de controle de peso. Enfim, não existe uma resposta única que aponte qual o melhor adoçante.

Adoçante natural é melhor que adoçante artificial?

De acordo com alguns especialistas, os adoçantes naturais são mais saudáveis do que os artificiais, pois não contêm substâncias químicas que possam prejudicar o organismo. Considerando isso, no topo da lista de qual o melhor adoçante, estão os adoçantes naturais. Alguns exemplos de adoçantes naturais são: stévia, xilitol, eritritol, taumatina e sorbitol.

Mesmo encabeçando a lista de qual o melhor adoçante, adoçantes naturais também podem ter alguns efeitos colaterais, como causar gases, diarreia e cólicas, por exemplo. Por isso, é sempre recomendado ouvir um especialista para saber qual o melhor adoçante para cada caso. Falaremos mais sobre isso mais adiante. Mas antes, e os adoçantes artificiais?

Adoçante artificial: quais os principais?

Os adoçantes artificiais são normalmente mais baratos, mas apresentam uma lista grande de prováveis efeitos negativos, como alterar o paladar, estimular o apetite, interferir nos hormônios, e até mesmo aumentar o risco de câncer e outras doenças. Além disso, eles podem ter um sabor residual amargo ou metálico. Os principais exemplos de adoçantes artificiais são: aspartame, sucralose, sacarina e ciclamato.

Dentro deste contexto, para saber qual o melhor adoçante para você, o ideal é escolher o que mais se adapta às suas necessidades e preferências, sempre usando com moderação e orientação médica ou nutricional.

Para lhe ajudar a desvendar o universo dos adoçantes, nesse artigo vamos abordar algumas das principais dúvidas relacionadas ao tema, que são: qual o melhor adoçante para diabéticos, qual o melhor adoçante para emagrecer, qual o melhor adoçante para saúde, qual o melhor adoçante natural, qual o melhor adoçante culinário.

Qual o melhor adoçante para diabéticos?

qual o melhor adoçante?

Se a questão principal é saúde, para encontrar qual o melhor adoçante para diabéticos é recomendado procurar entre as opções naturais. A stévia, por exemplo, é um adoçante natural que não contém calorias e não afeta os níveis de açúcar no sangue. Ela é extraída de uma planta chamada Stevia rebaudiana e é cerca de 300 vezes mais doce que o açúcar de mesa. A stévia pode ser encontrada em pó ou em forma líquida e tem alguns prós e contras que as pessoas com diabetes devem considerar. Alguns dos benefícios da estévia são:

  • Ela pode estabilizar os níveis de açúcar no sangue e aumentar a tolerância à glicose.
  • Ela pode reduzir a pressão arterial, o colesterol e a inflamação.
  • Ela pode ter efeitos antioxidantes e anticancerígenos.

Alguns dos contras da estévia são:

  • Ela pode ter um sabor residual um pouco amargo (nem todas tem, inclusive, a Stevia da Color é famosa por não ter nenhum sabor residual. Pode provar para comprovar).
  • Ela pode causar náusea e dor de estômago em algumas pessoas.
  • Ela pode ser um pouco mais cara do que outros substitutos do açúcar, embora, justiça seja feita, ela é 300x mais doce que o açúcar, então por mais que você pague mais, uma coisa é fato: ela rende MUITO.

Segundo pesquisa sobre as propriedades da estévia no tratamento contra o diabetes, o adoçante natural foi capaz de estimular a produção de insulina em testes realizados, mostrando-se efetivo no tratamento. Portanto, a stévia pode ser uma boa opção de adoçante para diabéticos, mas é importante usá-la com moderação e verificar os rótulos dos produtos, pois alguns fabricantes podem adicionar outros açúcares e ingredientes para melhorar seu sabor.

+LEIA MAIS: Melhor adoçante para diabéticos: conheça a opção saudável para o controle da diabetes

Qual o melhor adoçante para emagrecer?

qual o melhor adoçante?

Qual o melhor adoçante para emagrecer está entre as principais dúvidas de quem quer fazer uso desse produto. Alguns adoçantes naturais podem auxiliar na perda de peso, como o xilitol, o eritritol e a própria stévia, sobre a qual já falamos um pouco. Esses adoçantes têm poucas calorias, não elevam a glicose no sangue e podem reduzir o consumo de açúcar. Veja abaixo um resumo dos benefícios de cada um deles, para que você tenha mais informações sobre qual o melhor adoçante para emagrecer:

Adoçante Xilitol

É um álcool de açúcar que tem um sabor doce semelhante ao do açúcar, mas com 40% menos calorias. Ou seja, ele tem calorias! Ele também ajuda a prevenir cáries e infecções bacterianas na boca. O xilitol pode ser encontrado em frutas, vegetais e milho.

Adoçante Eritritol

É outro álcool de açúcar que tem quase zero calorias e não afeta os níveis de insulina. Ele também tem um sabor doce e refrescante, sem deixar um gosto amargo. O eritritol pode ser encontrado em melões, peras e uvas.

Adoçante Stévia

É um extrato de uma planta nativa da América do Sul que tem um poder adoçante até 300 vezes maior que o do açúcar, mas sem calorias. Ela também tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, podendo beneficiar a saúde cardiovascular e a pressão arterial. A stévia pode ser consumida em pó, líquido ou em sachês. Se cultivada e processada de forma artesanal, e se a planta tiver excelente qualidade, não deixa sabor residual amargo.

Esses são os três adoçantes indicados por especialistas, quando a dúvida é qual o melhor adoçante para emagrecer. No entanto, é importante lembrar que o consumo de adoçantes deve ser moderado e associado a uma alimentação equilibrada e a hábitos saudáveis de vida.

Qual o melhor adoçante para saúde?

A resposta para a pergunta ‘qual o melhor adoçante para saúde’ segue o mesmo critério das respostas para as questões ‘qual o melhor adoçante que existe’; ‘qual o melhor adoçante para diabéticos’ e ‘qual o melhor adoçante para emagrecer’. Ou seja, saber qual o melhor adoçante para saúde depende de vários fatores, como a origem, a composição, o poder adoçante, as calorias, os efeitos colaterais, as contraindicações e os objetivos e preferências de quem vai usar.

Mas, de uma forma geral, de acordo com especialistas, como já mencionamos, os melhores produtos para a saúde, são os de origem natural. Esses adoçantes têm segurança estabelecida e costumam conferir dulçor semelhante ao do açúcar, além de apresentarem poucos efeitos colaterais e serem estáveis à temperatura do cozimento.

Também achamos válido reforçar que vale a pena você procurar adoçantes que venham de cultivo sustentável, com produção orgânica e respeito a natureza. Afinal, não adianta muito o adoçante ser saudável para você, porém insalubre para o meio-ambiente e para as pessoas que o produziram, não concorda?

E como última dica para saber o melhor adoçante para a saúde: confira sempre o rótulo, para ter a certeza de que está comprando um produto com pureza, sem mistura de outros elementos.

+LEIA MAIS: Stevia, sacarina, sucralose, aspartame, xilitol: qual é o melhor adoçante para saúde? Médicos respondem

Qual o melhor adoçante natural

Já vimos que os melhores adoçantes são os naturais, mas qual desses adoçantes naturais é o melhor? Na verdade, não existe uma resposta única para qual o melhor adoçante natural. Conforme já mencionado, os adoçantes mais indicados atualmente são os feitos à base de esteviosídeo (stévia) e de sucralose, pois são extraídos de vegetais e frutas, portanto, quase como se você fosse naquele pé de fruta no sítio e o colhesse da árvore: naturais e sem contraindicações.

Para tirar a prova dos nove, também vale a pena, obviamente, você usar o seu paladar. Afinal, o adoçante, além de tudo, precisa satisfazer ao seu gosto!

+LEIA MAIS: Qual o melhor tipo de adoçante?

Qual o melhor adoçante culinário e qual o melhor adoçante para forno e fogão?

Qual melhor adoçante

O adoçante culinário, ou o adoçante forno e fogão tem a mesma função do adoçante tradicional – substituir o açúcar para adoçar bebidas e outros alimentos – com a possibilidade de ser usado em receitas quentes. Mas qual o melhor adoçante culinário? Qual o melhor adoçante para forno e fogão? O melhor adoçante seria aquele que não perde estabilidade ao ser exposto a temperaturas altas, mantendo suas características de sabor e textura.

Assim, a resposta para a pergunta ‘qual o melhor adoçante culinário’ é o adoçante que pode ser utilizado como substituto do açúcar em receitas de bolos, pães, tortas e doces assados ou cozidos, sem prejuízos à receita ou à saúde, como é o caso do adoçante stévia forno e fogão. A textura em pó facilita o cálculo das medidas da receita em colheres ou xícaras.

qual o melhor horário para tomar maca peruana?

Qual o melhor horário para tomar maca peruana?

A maca peruana é uma raiz originária da região dos Andes, que abrange, além do Peru, a Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Venezuela. Esse tubérculo possui vários benefícios para a saúde, como aumentar a energia, o controle da glicemia, a prevenção da osteoporose e da anemia, entre outros. Ela é rica em vitaminas, minerais, proteínas, fibras e antioxidantes, e pode ser consumida em cápsulas ou em pó. A maca peruana andina é considerada um superalimento, que nutre o corpo e melhora o bem-estar geral.

Nesse artigo, além de detalhar os inúmeros benefícios que podem ser alcançados com o consumo da maca peruana e explicar um pouco mais sobre essa raiz, vamos também responder a perguntas comuns a respeito da forma de consumo, entre elas: “Qual o melhor horário para tomar maca peruana?”, “Qual o melhor horário para tomar maca peruana em pó” e “Qual o melhor horário para tomar maca peruana em cápsulas”. Confira o conteúdo e boa leitura!

Pela manhã ou à noite? Afinal, qual o melhor horário para tomar maca peruana?

qual o melhor horário para tomar maca peruana?
Maca peruana in natura.

Os benefícios da maca peruana estão, cada vez mais, chamando atenção em todo o mundo e têm gerado a curiosidade entre consumidores e, também, entre pesquisadores. Esses cientistas têm se debruçado sobre essa raiz que se tornou objeto de estudos em diversas universidades de diferentes países.

Esse crescente interesse e a ampla gama de estudos a seu respeito, tornou a maca peruana um alimento muito popular no mercado mundial da saúde e bem-estar. Ainda assim, persistem algumas dúvidas com relação às melhores formas de consumo desse tubérculo, como, por exemplo, saber qual o melhor horário para tomar maca peruana.

De uma forma geral, não existe um horário específico para o consumo da maca peruana. Definir qual o melhor horário para tomar maca peruana vai depender da preferência do consumidor e, eventualmente, do tipo de objetivo que se espera alcançar ao utilizar a raiz. Seja como for, a recomendação de nutricionistas é que a maca seja consumida antes das principais refeições, seja pela manhã, à tarde, ou à noite. E todos os dias, sem exceção.

Algumas pessoas atestam que o melhor horário para tomar maca peruana é pela manhã, pois ela ajuda a garantir mais energia ao longo do dia. Pela nossa convivência com os povos andinos, podemos afirmar que é assim que eles tomam: sempre pela manhã, e todos os dias, inclusive desde que são crianças.

A maca tem um sabor agridoce, então algumas pessoas também afirmam que consumir pela manhã é melhor, pois ela vai muito bem misturada em sucos, iogurtes, cremes, e outros alimentos normalmente consumidos às manhãs.

Por outro lado, há consumidores que garantem que o melhor horário para tomar maca peruana é à noite, justamente porque sentem que ela melhora o sono e ajuda na recuperação muscular. Há ainda os que consideram o melhor horário para tomar maca peruana a hora do almoço, pois ela ajuda a regular o apetite.

Fato é que, como já mencionado, o melhor horário para tomar maca peruana vai depender mais do gosto individual de cada um, porque, na verdade, não há contraindicação nenhuma respeito de horários.

E será que essa liberdade de uso se aplica em todas as formas de apresentação da maca peruana? Ou seja, será que há melhor horário para tomar maca peruana em pó ou melhor horário para tomar  maca peruana em cápsula? E qual a diferença entre elas? Vamos conferir na sequência.

+LEIA MAIS: Maca peruana: alimento e benefícios

Melhor horário para tomar maca peruana em pó

qual o melhor horário para tomar maca peruana

Definir qual o melhor horário para tomar maca peruana em pó segue a mesma regra que define o melhor horário para tomar maca peruana em cápsulas: depende do gosto pessoal.

O que vale destacar é que a maca peruana em pó deve ser ingerida misturada a algum alimento ou bebida. Ou seja, ela é ideal para receitas. A maca peruana em pó tem um sabor agradável, agridoce, e que combina bem com frutas, sucos e iogurtes. Ela também pode ser usada em receitas de massas, pães, bolos e patês. No nosso insta inclusive tem dezenas de receitas com maca peruana.

+LEIA MAIS: Conheça a substituta natural da tribulus terrestres

Qual melhor horário para tomar maca peruana em cápsulas?

A diferença entre a maca peruana em pó e a maca peruana em cápsula é somente a forma de apresentação deste superalimento. A maca peruana em pó é vendida na forma de um pó fino, que pode ser misturado em bebidas e alimentos, enquanto as cápsulas contêm uma dose pré-determinada do maca em pó encapsulada.

Algumas vantagens do pó são a versatilidade, o preço e a personalização da dose. Algumas vantagens das cápsulas são a conveniência, a dosagem precisa e o sabor neutro. E, sobre qual melhor horário para tomar maca peruana em cápsulas, a resposta é a mesma: depende da preferência.

Ambas as formas de maca peruana têm benefícios à saúde e ambas podem ser tomadas em qualquer horário do dia. O produto é literalmente o mesmo.

O importante é que o consumo seja diário, consistente, para que se possa realmente usufruir dos benefícios trazidos pela maca peruana. Em termos da quantidade, há um certo consenso de que tomar entre 1 a no máximo 2 gramas de maca peruana por dia é o ideal. As cápsulas vêm com 500mg, ou seja, duas por dia. Em pó, 1g isso equivale a uma colher de chá (mais ou menos).

Confira abaixo alguns desses benefícios.

Benefícios da maca peruana

Um dos grandes destaques da maca peruana, conforme percebemos pela nossa convivência com povos nativos dos Andes, que a consomem todos os dias de suas vidas, é seu efeito na libido. Impotência sexual por exemplo nós nunca ouvimos falar nas comunidades andinas. Lembrando que essa é uma constatação feita pela nossa rotina por lá, conversando com esses nativos. Há também pesquisas que indicam que o consumo da maca reduz os níveis de estresse ansiedade.

– A maca peruana é rica em fibras e pode ajudar quem deseja emagrecer, porque essas fibras aumentam a saciedade, reduzindo o apetite. Essa característica, aliada a um plano alimentar saudável e atividades físicas, é uma grande aliada na perda de peso. Por ser também um alimento que dá bastante energia, é um excelente alimento para quem deseja pegar firme nos treinos. Veja como tomar maca peruana para emagrecer.

– Ajuda a prevenir a osteoporose, pois é rica em cálcio.

– Pode prevenir o diabetes, pois diminui a velocidade da absorção de glicose pelo corpo (também graças ao alto teor de fibras) e inibe a ação de uma enzima que atua no processo de digestão. Isso evita a liberação de grandes quantidades de insulina, o que poderia levar à resistência celular à substância, favorecendo o diabetes.  

– Rica em ômega 3 e ômega 9, a maca peruana protege a saúde cardiovascular graças a seu efeito vasodilatador e regulador do colesterol.

– Um dos efeitos muito buscados pela ação da maca peruana é a redução dos efeitos da menopausa. Sobre isso, o que podemos falar é apenas com base na nossa convivência com as mulheres andinas, que consomem macas todos os dias: elas afirmam não conhecer os sintomas da menopausa.

Xilitol ou Stevia: qual é o melhor adoçante?

É cada vez maior o número de pessoas que se preocupam em ter uma alimentação mais saudável. Nesse cenário, em que controlar o peso também é uma preocupação, o açúcar tradicional tem perdido espaço para os adoçantes. Mas diante da gama enorme de adoçantes no mercado, como escolher o melhor?

Nesse artigo, vamos trazer muitas informações sobre dois adoçantes naturais: xilitol e stevia. E, ao longo do texto, vamos responder uma pergunta muito comum: xilitol ou stevia qual o melhor adoçante?

Além disso, vamos ver, também, tópicos com vários esclarecimentos a respeito do uso do xilitol ou stevia:

    • Xilitol ou stevia: o que preciso saber para escolher bem?

    • Xilitol ou stevia para diabéticos?

    • Xilitol ou stevia low carb

    • Xilitol ou stevia: vantagens de cada um

    • Afinal, xilitol ou stevia qual é o melhor?

    • Adoçante xilitol ou stevia: receitas saborosas e saudáveis

Xilitol ou stevia: o que preciso saber para escolher bem?

Como já mencionamos, tanto o xilitol quanto a stevia são adoçantes naturais. Mas quais as diferenças entre eles? O que preciso saber para escolher entre xilitol ou stevia?

A stevia:

Xilitol ou stevia –stevia é um adoçante natural que é extraído das folhas da planta Stevia rebaudiana bertoni, originária do Paraguai. Ela tem sido usada há séculos pelos povos indígenas para adoçar bebidas e alimentos.

Xilitol ou stevia – A stevia tem um poder de adoçar cerca de 300 vezes maior do que o açúcar comum, com a vantagem adicional de ter zero calorias. Por isso, ela é uma opção para quem quer reduzir o consumo de açúcar e controlar o peso.

Xilitol ou stevia – A stevia também tem benefícios para a saúde, pois não eleva os níveis de glicose no sangue, podendo ser usada por pessoas com diabetes. Além disso, ela tem propriedades antibacterianas, que podem prevenir as cáries dentárias e as infecções no ouvido.

Xilitol ou stevia – A stevia também é resistente a altas e baixas temperaturas, podendo ser usada em receitas que vão ao forno ou à geladeira.

Xilitol ou stevia – A stevia pode ser encontrada em diferentes formas, como stevia em pó, granulada ou líquida. Ela pode ser usada para adoçar qualquer alimento ou bebida que se deseje, como café, chá, sucos, bolos e gelatinas.

O xilitol:

Xilitol ou stevia – Oxilitol é encontrado em pequenas quantidades em algumas frutas e vegetais, como ameixa, morango, couve-flor e abóbora.

Xilitol ou stevia – O xilitol tem um sabor doce, levemente mentolado, sem sabor residual. Ele tem o mesmo poder de adoçar do açúcar comum, mas com 40% menos calorias que o açúcar (aqui está portanto uma desvantagem fundamental em relação a Stevia, que tem zero calorias e é 300x mais doce que o açúcar).

Xilitol ou stevia – O xilitol também pode ser usado em qualquer alimento ou bebida para adoçar.

Xilitol ou stevia low carb

Muitas pessoas são adeptas de dietas com redução de carboidrato e ficam em dúvida se devem usar xilitol ou stevia low carb.

A stevia é um adoçante natural que pode ser usado na dieta low carb, pois tem zero calorias e não é metabolizada pelo organismo. Ela pode ser usada para adoçar bebidas, como café e chá, ou para fazer receitas de bolos, tortas, pudins e outras sobremesas low carb.

Como tem um poder adoçante 300 vezes maior que o do açúcar, a stevia é utilizada em quantidades mínimas para adoçar as receitas.

Oxilitol também pode ser usado na dieta low carb, pois tem menos calorias e carboidratos do que o açúcar comum. Uma colher de chá de xilitol tem 2,4 calorias, enquanto uma colher de chá de açúcar tem 4 calorias. Já a de stevia tem 0 calorias.

Ele pode substituir o açúcar na mesma proporção na receita. Por exemplo, se uma receita pede uma xícara de açúcar, você pode usar uma xícara de xilitol.

Xilitol ou stevia para diabéticos

Xilitol ou stevia para diabéticos? Essa também é uma pergunta bastante comum. Tanto o xilitol quanto a stevia para diabéticos podem ser usados e ambos oferecem benefícios para a saúde.

Como já dito, ambos são extraídos de fontes vegetais e têm um sabor doce e agradável, mas existem algumas diferenças entre eles que podem influenciar na escolha de qual usar.

Xilitol ou stevia para diabéticos? Essa também é uma pergunta bastante comum. Tanto o xilitol quanto a stevia para diabéticos podem ser usados e ambos oferecem benefícios para a saúde.

Como já dito, ambos são extraídos de fontes vegetais e têm um sabor doce e agradável, mas existem algumas diferenças entre eles que podem influenciar na escolha de qual usar.

O xilitol é um álcool de açúcar que é encontrado em frutas e vegetais, como já mencionado, mas também pode ser produzido a partir da casca de bétula ou da espiga de milho. Ele é uma boa opção de adoçante para diabéticos porque não eleva os níveis de glicose no sangue, assim como a Stevia.

A stevia é usada há séculos para adoçar chás e medicamentos. A stevia é muito mais doce do que o açúcar, cerca de 200 a 300 vezes mais, mas não tem calorias nem carboidratos. Por isso, ela também não afeta os níveis de glicose no sangue e é uma ótima opção para o uso de diabéticos.

A stevia também tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que podem proteger as células do estresse oxidativo e prevenir doenças crônicas. Alguns estudos sugerem que a stevia pode ter um efeito hipoglicemiante natural, que estimula a secreção de insulina pelas células beta do pâncreas e regula os níveis de glicose no sangue.

A escolha entre xilitol ou stevia para diabéticos vai depender das preferências pessoais e das necessidades de cada um. O mais recomendável é consultar um médico ou nutricionista antes de fazer qualquer mudança na dieta.

Afinal, xilitol ou stevia qual é o melhor?

Qualquer que seja a escolha do adoçante – xilitol ou stevia – é importante que ele atenda ao seu gosto de paladar. E, ainda mais importante, sempre opte por marcas confiáveis, que garantem qualidade e de fato produtos naturais, afinal, a grande vantagem tanto do xilitol quanto da stevia é que são adoçantes naturais.

Se você procura mais poder de adoçante com zero calorias, então com certeza a escolha ideal é a Stevia, pelos motivos que listamos mais acima.

Xilitol ou stevia: vantagens de cada um

Ao longo do artigo, você viu uma série de informações sobre adoçantes naturais que vão lhe ajudar na hora de escolher xilitol ou stevia. Agora, vamos reiterar algumas das vantagens desses adoçantes naturais, começando pelo adoçante stevia:

    • A stevia tem zero calorias e não é metabolizada pelo organismo, podendo ser usada por pessoas que querem reduzir o consumo de açúcar ou que têm diabetes

    • A stevia tem um poder de adoçar 200 a 300 vezes mais do que o açúcar comum, o que significa que é preciso usar uma quantidade muito pequena para obter o mesmo sabor adoçante (ela rende muito, portanto)

    • A stevia pode ajudar a regular o apetite e a reduzir a fome, pois ela estimula os receptores do sabor doce no estômago e no intestino, aumentando a secreção de hormônios que regulam a saciedade

    • A stevia pode ter um efeito hipoglicemiante natural, que reduz os níveis de glicose no sangue e estimula a secreção de insulina pelas células beta do pâncreas, podendo ser benéfica para pessoas com diabetes tipo 2

    • A stevia tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que podem proteger as células do estresse oxidativo e prevenir doenças crônicas, como problemas cardiovasculares

    • A stevia é estável em altas temperaturas, podendo ser usada em alimentos e bebidas quentes ou frias, ou em receitas de bolos e tortas que vão ao forno, sem alterar o seu sabor ou as suas propriedades

    • A stevia é boa para a saúde bucal, pois ela não causa cáries e pode até inibir o crescimento de bactérias na boca, prevenindo a formação de placa dental

+VEJA MAIS: Adoçante stevia 100% natural: 6 benefícios

Agora vamos ver algumas vantagens do xilitol:

    • Tem menos calorias do que o açúcar, porém tem mais calorias do que a Stevia

    • Tem baixo índice glicêmico: o xilitol não eleva muito os níveis de açúcar no sangue, sendo uma boa opção para pessoas com diabetes 2

    • Prevenir cáries: o xilitol inibe o crescimento de bactérias que causam as cáries

    • Prevenir infecções respiratórias e de ouvido: o xilitol combate outras bactérias que vivem na boca e no ouvido

Adoçante xilitol ou stevia: receitas saborosas e saudáveis

Agora é o momento de escolher o adoçante xilitol ou stevia para suas receitas. Confira algumas sugestões:

    • Sobremesa diet gelada de morango: uma sobremesa fácil e rápida de fazer, que leva apenas gelatina diet, creme de leite e água. Você pode escolher o sabor da gelatina que preferir e decorar como quiser.

    • Calda de caramelo diet: uma calda deliciosa que pode ser usada em outras sobremesas, pipocas ou como preferir. Você só precisa de adoçante stevia, água e vinagre branco para fazer essa receita.

    • Geleia de morango: uma geleia caseira e natural, feita com morangos frescos, suco de limão e adoçante stevia. Você pode usar essa geleia em torradas, bolos, iogurtes ou como quiser.

    • Bolo de cenoura com xilitol: Um bolo fofinho e saboroso feito com farinha de arroz, óleo de coco, cenoura e xilitol. A cobertura é de chocolate amargo com cacau em pó 100%. Uma delícia para quem quer comer um doce sem culpa.

    • Pudim low carb com leite condensado low carb caseiro: Um pudim cremoso e fácil de fazer com creme de leite, leite condensado low carb feito com xilitol e farinha de amêndoa, ovos, baunilha e xilitol. A calda é de xilitol caramelizado. Uma sobremesa que vai surpreender a todos.

Lembrando que você pode ter acesso gratuito a centenas de receitas no Insta da Color Andina!

×

Atenção

O e-mail inserido já está vinculado a uma conta existente. Para finalizar o pedido utilizando esse e-mail, acesse sua conta clicando no botão abaixo.

[]